quinta-feira, 2 de maio de 2013

Limpinho, Limpinho, Limpinho!


O futebol alemão é muitas vezes desprezado quando se inicia uma discussão sobre as melhores ligas e os melhores clubes do mundo. Invariavelmente são referidos os campeonatos Inglês, Espanhol e Italiano e, por conseguinte, clubes dessas mesmas competições. Só depois se fala da Liga Alemã mas sempre com o mesmo denominador comum: Bayern de Munique.
O que assistimos nesta edição da Liga dos Campeões foi um autêntico grito de revolta, como quem diz "Estamos aqui e somos tão bons ou melhores que vocês". Já no ano passado tivemos um Bayern forte, chegando à final da mais importante prova de clubes da Europa mas perdendo, incrivelmente, na final com o surpreendente Chelsea. Desta vez além dos "Bávaros", o Borussia de Dortmund também atingiu a final da prova.
Mas o domínio alemão foi muito para além do "atingir a final". A equipa de Jupp Heynckes deu um autêntico "show de bola" durante todo o torneio, sendo que vencer o Barcelona por um agregado de 7-0 (venceu 4-0 em casa e 3-0 no Camp Nou) foi a autêntica cereja no topo do bolo. Uma eliminatória histórica, nunca antes vista pelas hostes Barcelonistas que "entregaram" o título de melhor equipa do mundo aos alemães. Jogadores como Ribery. Robben, Gomez, Muller, Schweinsteiger, Dante ou Neur foram peças-chave numa equipa com dinâmicas impressionantes. Uma defesa com enorme poderio físico e um ataque demolidor formam a imagem de marca deste Bayern.
Ficam no ar as perguntas: O que vai fazer Pep Guardiola com uma equipa que está montada, estabilizada, e que este ano pode vencer todas as competições que disputou? E como é que se despede (ou não se renova) com um treinador que pode vencer tudo?

Do outro lado teremos o Borussia de Dortmund, outra equipa que também impressionou pela positiva. Sem qualquer derrota na fase de grupos, a equipa orientada por Juergen Klopp foi ganhando cotação nas bolsas de apostas à medida que foi ultrapassando os adversários que lhe foram surgindo. Nos Quartos-de-Final, frente ao Málaga, uma 2ª mão de loucos deu-lhe a passagem às Meias-finais, com dois golos já depois dos 90 minutos. Nas Meias-Finais um duelo importante. Real Madrid de Mourinho voltava a ser o adversário depois de, na fase de grupos, o Borussia ter vencido em casa e ter empatado na capital espanhola.
Os alemães foram implacáveis e vencem a primeira mão por 4-1. Na segunda mão, aguentaram estoicamente as investidas da equipa "Blanca", que ainda conseguiu fazer dois golos nos últimos dez minutos de jogo. Já não foi suficiente, e a equipa alemã segue para Wembley. Klopp, treinador que tem tanto de genial como de bizarro, montou uma equipa em torno de Gotze, a estrela da companhia, privilegiando o futebol de ataque. Nem sempre consegue pautar os ritmos do jogo talvez por essa, por vezes, descontrolada febre de marcar. Tem Lewandowski, um autêntico matador que aniquilou o Real na primeira mão (os quatro golos foram dele) e outros jogadores de grande qualidade como Reus, Blaszczykowski ou Gundogan.

O domínio alemão foi avassalador e não tem contestação. Sinceramente, fico com a sensação de que as melhores equipas estão na final. E, nesse jogo, tudo pode acontecer. Ganhe quem ganhar, foi limpinho, limpinho, limpinho.

1 comentários:

Emanuel Almirante disse...

Em relação ao facto de as pessoas não considerarem o campeonato alemão um dos melhores do mundo é simples, é que o domínio do Bayern é avassalador e em cada época há poucas equipas que podem ser campeãs. Apesar de nos últimos dois anos o Dortmund ter sido o vencedor da liga alemã, o facto de o Bayern comprar todos os melhores jogadores a actuar no campeonato (caso do Götze, por exemplo) apenas vai reforçar o domínio esmagador do Bayern.
E, antes que digam que o campeonato espanhol também só tem duas equipas, na minha opinião La Liga não é o melhor campeonato, apenas tem duas grandes equipas.

Em relação à final da Champions, acho que o Bayern "limpa" aquilo na boa. Já foram a três finais e, depois da humilhação do ano passado, não me parece que irão perder mais uma.

Enviar um comentário

Aqui não há lápis azul, aqui não há comentários rejeitados. Portanto: Escreve praí!