quarta-feira, 6 de março de 2013

A Magia do Futebol


O dia de ontem foi longo. Longo porque só as 19:45 começava um dos grandes jogos do futebol mundial. Manchester United e Real Madrid disputavam a segunda mão dos Oitavos de Final da Liga dos Campeões. Mas soube a final. Os 'Reds" tinham conseguido um importante empate a uma bola no Santiago Bernabéu, que lhes dava vantagem. Os 'Blancos' tinham de marcar em Old Trafford.
No fim, o resultado foi 2-1 para a equipa de Madrid, possibilitando assim aos Madridistas continuar em prova, deixando o United pelo caminho.
Mas não vou falar do jogo nem dos casos de arbitragem que deram e vão continuar a dar que falar.
Trago-vos a resposta para uma pergunta frequente: porque é que o futebol é o desporto-rei?

O ambiente em Manchester era tenso. Um "filho da terra" voltada a casa para defrontar o clube que o projectou. Para muitos considerado o melhor do mundo, todos sabiam que Ronaldo podia a qualquer momento resolver o jogo e deixar a sua antiga equipa, aquela que lhe deu tudo, fora da Liga dos Campeões.
Minutos antes do apito inicial, foram apresentados os onzes. Um por um, os jogadores do United foram aplaudidos. Chegou a vez dos jogadores visitantes. As reacções eram mistas, ora aplaudidos ora assobiados. Até chegar Ronaldo. O Speaker dá o mote "And Now, Welcome Back Cristiano Ronaldo!". O público, de pé, aplaude o seu (antigo) ídolo que, ainda à duas semanas, tinha marcado o golo do empate frente ao Manchester. Ronaldo disse, no fim do jogo, que pela primeira vez na sua carreira o ambiente afectou-o. Não era para menos. Já na segunda parte, Ronaldo fez o segundo golo do Real que carimbou a passagem da equipa espanhola para a próxima fase. Não festejou. Apenas levantou os braços, com as mãos abertas. Pediu desculpa, rapidamente aceites.

Mourinho disse no final do jogo que a melhor equipa perdeu. Foi verdade. Em muito contribuiu a expulsão de Nani (injusta, a meu ver) ainda com o resultado de 1-0 favorável ao United. Minutos depois desse acontecimento, o técnico português em pleno calor do jogo segredou algo a Sir Alex Fergunson. Só eles sabem de que se tratou. Mas quase que aposto que Mourinho pediu também perdão ao escocês pelo terrível erro que o árbitro cometeu e que condicionou o jogo, apesar de não ter culpa. Mais um gesto bonito, mais uma acção que diferencia os grandes das lendas.

Hoje, ia no autocarro e ouvi dois jovens, senhores dos seus oitenta e tal anos falar da partida da noite anterior. Ambos concordaram que estiveram frente a frente duas grandes equipas e que qualquer uma delas merecia passar à próxima fase. Referiram Giggs, um miúdo que apesar de ter 1000 jogos nas pernas, continua a jogar de uma maneira irrepreensível  E ainda agora renovou por mais uma época.
Falavam do jogo como experts, melhor e de maneira mais simples do que muitos "paineleiros" que passam a semana na televisão. Esta é a essência do jogo. Dois compinchas que se juntam e discutem futebol.

E é isto, meus amigos, é que faz o futebol o desporto-rei.

 

0 comentários:

Enviar um comentário

Aqui não há lápis azul, aqui não há comentários rejeitados. Portanto: Escreve praí!